Início Todos os Artigos Atualidade Suspeitos de abuso sexual de menor na guarda ficam em prisão domiciliária

Suspeitos de abuso sexual de menor na guarda ficam em prisão domiciliária

160
Foto: Google

O Tribunal de Instrução da Guarda determinou prisão domiciliária com recurso a pulseira eletrónica como medida de coação para o homem de 58 anos e a mulher de 52 anos.
O casal suspeito de abuso sexual de uma menor de 11 anos na Guarda, filha da detida, vai aguardar julgamento em prisão domiciliária, informou hoje fonte da PJ.
O Tribunal de Instrução da Guarda determinou prisão domiciliária com recurso a pulseira eletrónica como medida de coação para o homem de 58 anos e a mulher de 52 anos, que tinham sido detidos na quarta-feira por suspeitas da prática de abuso sexual de crianças e pornografia de menores, afirmou à agência Lusa José Monteiro, da PJ da Guarda.
O responsável salientou que a vítima foi entregue a uma instituição de acolhimento, tendo deixado de conviver com os alegados agressores.
O homem de 58 anos e a mulher de 52 anos foram detidos pelo Departamento de Investigação Criminal da Guarda por suspeita de cinco crimes de abuso sexual de crianças e dois crimes de pornografia de menores.
Segundo José Monteiro, o homem, casado, tinha uma relação extraconjugal com a detida e terão praticado os factos desde julho de 2019, no contexto da relação que mantinham.
“Conseguimos individualizar cinco situações concretas de abuso e duas de pornografia de menores”, disse.
De acordo com a mesma fonte, o caso aconteceu na cidade da Guarda e os detidos não têm antecedentes criminais, estavam empregados e “aparentemente tinham uma vida socialmente enquadrada”.
O alerta surgiu por parte da própria vítima que na escola deu sinais da situação, com os responsáveis do estabelecimento escolar a terem reportado o caso à PJ, contou.

 

Fonte: Lusa