Início Todos os Artigos Atualidade Câmara de Pinhel vai avançar com providência cautelar para parar processo de...

Câmara de Pinhel vai avançar com providência cautelar para parar processo de prospeção de lítio no concelho

A decisão foi tomada esta quinta-feira, em reunião de Câmara.

362
0
Foto: CMP

A Câmara de Pinhel vai avançar com uma providência cautelar para parar o processo de prospeção de lítio no concelho de Pinhel. A decisão foi tomada esta quinta-feira, em reunião de Câmara.

Para além da providência cautelar, Rui Ventura, autarca local, anunciou a intenção de mandar fazer um estudo de impacto ambiental da eventual prospeção e exploração de lítio no concelho e na região, uma vez que, vai reunir com os autarcas dos concelhos vizinhos que também integram a área de prospeção do Massueime, Trancoso, Mêda e Almeida, e a quem vai propor a elaboração deste estudo, para que juntos tomem medidas para impedir este processo de avançar.

Um processo que segundo o presidente de câmara de Pinhel “não é sério”, e que vai por em causa o futuro do concelho, por isso Rui Ventura garante que não vai baixar os braços. “Pode ser a última coisa que faça enquanto presidente de câmara, mas a verdade é que vou estar atento e mesmo que não sejamos ouvidos, estarei na primeira linha quando uma máquina entrar no concelho de Pinhel a fazer o que quer que seja, estarei os dias que forem necessários, juntamente com todos os que me quiserem acompanhar, a impedir que este processo avance, porque este será o fim do concelho de Pinhel”, disse esta quinta-feira o autarca pinhelense à Elmo.

Depois da reclamação a autarquia foram retirados do plano de prospeção cerca de 60 km2, que segundo a autarquia correspondem à Reserva da Faia Brava. O mapa de prospeção não tem em conta os aglomerados populacionais, nem os terrenos agrícolas, daí a maior preocupação da autarquia liderada por Rui Ventura.

A Direção-Geral de Energia e Geologia deu luz verde ao procedimento concursal para atribuição de direitos de prospeção e pesquisa de lítio, nos próximos cinco anos, em 6 das oito áreas inicialmente previstas. Apesar do parecer positivo, muitas são as entidades que contestam o avanço do processo, como é o caso da Câmara de Pinhel.